blog da Raquel Rolnik

Segunda-feira, meio-dia, em Nova Iorque a paisagem é insólita: ruas desertas, lojas fechadas, sacos de areia protegendo a entrada de edifícios, vitrines protegidas por fitas… E uma grande expectativa no ar. As filas nos supermercados, normalmente já enlouquecidamente grandes, durante todo o domingo estavam gigantes. A cidade espera o furacão Sandy, que deve chegar a qualquer momento entre hoje e amanhã, mas ninguém sabe exatamente quando, nem se, nem com que intensidade ele vai atingir a cidade.

Além da paisagem muito estranha – afinal, Nova Iorque é a cidade que nunca dorme, que compra e vende o tempo todo, em todas as ruas – impressiona sua  preparação para o desastre. Áreas baixas, sujeitas a inundação, foram evacuadas desde ontem. Da mesma forma, a rede de transporte público foi interrompida e todas as atividades públicas foram suspensas. Além disso, foram colocados avisos em toda a parte alertando as pessoas para que…

Ver o post original 195 mais palavras

DCE UFPR

O povo que estava em busca de uma terra (…) luta agora pelo direito de garantir a vida.

E isso já é muito! 

Nota de apoio aos índios Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do Sul

Os povos indígenas no Brasil sofrem desde o período da colonização, ações de expulsão de territórios originalmente habitados por eles. Inicialmente pelos portugueses “colonizadores” do Brasil, seguido do período onde os bandeirantes exploraram o território, até um salto histórico aos dias de hoje, estes povos enfrentam a ira e escravidão impostas por um sistema político repressor, que desrespeita a relação destes com a terra e muitas vezes, em grau de maior gravidade, o direito destes à vida. O enfrentamento antigo provocado pela ira e escravidão dos “colonizadores” do Brasil mantém-se vivo, hoje substituído pela ira e escravidão impostas pela especulação de madeireiras, pelo agronegócio e por empresas exploradoras de recursos naturais, em nome do capital.

Ver o post original 862 mais palavras

Isso é ilegal, não?

ABCuritiba

Beto Richa embarca hoje para a China. Flávio Arns também vai viajar e Valdir Rossoni idem. Assim, quem assume o governo é o presidente do Tribunal de Justiça, Miguel Kfouri Neto.

Até o dia quatro de novembro, o governador precisa dar a canetada final no convênio com o BNDES que financia as obras da Arena da Baixada. Muito provavelmente, o papel terá assinatura de Kfouri, o presidente do mesmo tribunal que fatalmente terá de julgar o contrato quando ele for questionado.

Ver o post original

A verdade oculta no telhado

Uma grande marcha em Paris será realizada no dia 13 de outubro para lembrar as vítimas do amianto e pressionar os governos que ainda não proibiram a exploração e o uso do produto a tomar uma atitude. Um dos principais alvos da campanha será o Brasil, terceiro maior produtor mundial do minério, classificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no principal grupo de substâncias cancerígenas. Mais de 125 milhões de operários estão expostos ao amianto em todo o mundo, e cerca de 107 mil morrem anualmente em decorrência de doenças associadas às suas nocivas fibras. A França, que abrigará a manifestação, baniu o minério há 16 anos. Outros 65 países seguiram o mesmo caminho. Na lista estão os Estados Unidos, todas as nações da União Europeia, mas também muitas do Hemisfério Sul, inclusive os nossos vizinhos Argentina, Chile e Uruguai.

Continue lendo.